Chamada de Artigos | Call for Papers

Revista N.º 4 – 2019

O CORPO NO CINEMA:
Perceção, representação e movimento

     O corpo é uma superfície sensível, como a película de um filme, material maleável que permite aos cineastas projetar as suas fantasias sobre a tela, mergulhando no mais profundo do seu íntimo para descobrir em que assenta a natureza do homem, que determina as suas ações: nos medos, nas pulsões ou nos desejos…
     No cinema, o corpo adquire sempre uma representação única, do ponto de vista de um autor singular. Porém, o ator também participa na construção desta visão: utiliza-o como o seu “instrumento”, tal como o músico tira sons do fundo da sua inspiração, despertando o seu corpo-memória de modo a favorecer o desenvolvimento do imaginário e das sensações.
     Dinâmico, plácido, alienado ou livre, lascivo ou erótico, burlesco ou digno, materializado ou encarnado, presente na imagem ou sugerido pela encenação de objetos ou voz-off, a questão da representação do corpo no cinema não é óbvia. Inscreve-se na grande história do cinema.

     No âmbito de uma antropologia do cinema e das imagens, o corpo, enquanto instrumento, abre múltiplas possibilidades de expressões, representações, apropriações e técnicas. Neste sentido, Marcel Mauss afirma: “O corpo é o primeiro e mais natural instrumento do homem, e o primeiro e mais natural objeto e meio técnico do homem.” (1989: 10). Evidencia-se assim, a possibilidade de numerosos discursos sobre o corpo, as práticas fílmicas, as relações entre realizadores/cineastas e atores que visam “romper os limites da realidade objetiva para configurar um novo espaço de subjetividade” (Coelho, 2009: 12).
     Neste contexto, o cinema (assim como a fotografia, a televisão e os media) transforma-se num campo privilegiado para o estudo do comportamento humano, através uma interrogação específica sobre o estatuto do corpo sobre um ecrã.

Bibliografia
Coelho, P. A. (2009). A experiência da alteridade em Grotowski. (Tese de   doutoramento). Escola de comunicações e artes, São Paulo.
Deleuze, G. (1983). L’image-temps.Cinema 2. Paris : Editions de Minuit.
Mauss, M. 1950](1989). Les Techniques du Corps, in Sociologie et Anthropologie, PUF, Paris.

*****

Será de particular interesse, mas não exclusivo, o tratamento dos seguintes tópicos de análise:

  • Rosto e corpo: perto ou mesmo close-up; plano do rosto/poder dramatúrgico e emocional; rosto da estrela (abordagem estética, histórica e sociológica); a estrela na época do mudo; Hollywood…; rosto reflexivo ou intensivo (Deleuze, 1983);
  • O papel da luz na encenação do rosto; efeito, sombra e luz; influência dos pintores no trabalho dos operadores…;
  • O Corpo: atração/repulsão;
  • Corpo dinâmico, livre, dançante: cenografia, coreografia, gesto, expressão;
  • Corpo voluptuoso, erótico, pornográfico;
  • Corpo mortal, rasgado, torturado, violentado (escravo, soldado, prisioneiro, boxer…);
  • Corpo monstruoso, deformado, mutilado, robotizado, estranho (fada, criatura híbrida, robô…);
  • Corpo masculino/Corpo feminino/Corpo infantil;
  • Corpo sob todos ângulos e em 3D;
  • Corpo e espaço: plano, disposição no espaço dos corpos; distâncias; campo e contracampo.

Os Coordenadores Científicos da C&T
Christine Escallier (UMa; CRIA-Centro em Rede de Investigação em Antropologia)
Teresa Norton Dias (UMa; CEMRI-UAb)

Calendário
Envio dos artigos: até 15 de julho de 2019
Comunicação de aceitação: até 1º de setembro de 2019
Previsão de publicação: novembro de 2019

Público
Pesquisadores doutores e profissionais. São permitidos trabalhos de doutorandos, desde que em coautoria com pesquisadores doutores.

O texto do artigo deverá ser enviado para o endereço: ct-review@mail.uma.pt

Todas as contribuições devem respeitar as normas de publicação e ser submetidas conforme as instruções para autores da revista: http://www.ct-review.org/normas-para-publicacao/

Aceitam-se contribuições em português, francês, inglês, espanhol.

Mais informações no site da revista: http://www.ct-review.org

Christine Escallier
Diretora da Revista

26 de janeiro de 2019


 Cinema & Território. Revista internacional de arte e antropologia das imagens | Universidade da Madeira | Portugal